"só pra quem tem fé"

Hoje foi um dia bem místico pra nós. Pra começar, sem disposição nenhuma, acordamos pra ir pra casa do vovô Jayme. Mesmo super enjoada, conseguimos empurrar bastante água pra dentro e fomos dormir. Dormimos muuuuuuuuuuuuuuuito! Muito mesmo! Acordamos com o almoço quase pronto, e adivinha o que ia ser a comida? Bife com batata frita, o favorito da mamãe. Só que como hoje era dia de passe, não poderia comer carne vermelha e esqueci de falar isso pro vovô. Levantei já pronta pra ignorar o bife quando sinto um cheiro maravilhoso de peixe. Sim, vovô - mesmo sem saber - fez sardinha pra nós (o que é ótimo já que sardinha faz bem pra nós dois). Foram nossos amigos espirituais agindo. Eu sei que tem gente que vai ler isso e falar "rá, pura coincidência" ou "não acredito nisso", mas é a minha religião, e já que respeito a todas (e quando digo todas, são todas mesmo, se você me chamar pra ir na macumba eu vou com a mente super aberta, assim como vou pra algum culto quando sou convidada), gostaria muito de ser respeitada também.
Os dias estão demorando muito pra passar. Não sei se é a ansiedade de te ver na quinta-feira, ou se é o nervoso de conhecer a nova médica amanhã. É meio esquisito pensar que já já faremos 5 meses juntos, e que não temos noção que quem fará o seu parto. Isso me deixa um pouco preocupada, mas como Deus tudo sabe, o que for pra ser, vai ser. E no final, vai ser o melhor pra todos, inclusive pra você.
Fomos pro centro, pra quem não sabe, desde antes de descobrirmos você já frequentávamos o Centro Espírita Abgail de Lima (conhecido como Centro Espírita Ignácio Bitencour). Sempre me senti super acolhida lá, e fazendo cursos e agora o passe de gestante me sinto mais em casa ainda. Como se ali fosse exatamente o lugar onde eu tivesse que estar, sei lá. Primeira vez no passe, e foi algo surreal. Divino. Sem explicação. Vou tentar narrar como foi, mas acho que seu pai, melhor do que ninguém, vai saber como descrever melhor.
Entramos em uma salinha com uma televisão e luz vermelha, bem acolhedora. Tomamos um passe para dispersão, e fomos chamados já na primeira leva, foram 4 crianças, eu e seu pai. Nos colocaram em cadeiras uma do lado da outra. Uma mulher magra de cabelos escuros ficou na frente do seu pai, e um senhor, coroa e gordinho ficou na minha frente. Filho, foi uma sensação única, te senti como nunca! Conforme o senhor ia mexendo as mãos, você ia se mexendo dentro de mim, indo na direção das mãos dele. Fechei os olhos, mandei pensamentos positivos pra você, só conseguia pensar no meu amor por você, e soube, mais tarde, que seu pai pensou a mesma coisa enquanto tomava o passe.
O momento mais especial foi a hora que o senhor pegou a mão do seu pai e colocou na minha barriga, parece que você disse um "oi" bem forte pra ele, depois ele colocou minha mão em cima da mão do seu pai, enquanto a mão dele ia no coração do seu pai, como se sincronizasse nossos corações, como se nos transformasse em um só.
Foi incrível, lindo, como eu já disse, impossível de explicar em palavras. Foi a primeira vez que me senti tão leve, tão feliz, tão radiante. Não consegui parar de rir, me veio uma emoção tão grande que me deu vontade de chorar de felicidade. Nunca vou me esquecer do dia de hoje. Se você for menina e um dia for mãe, vai entender. Se for menino e for pai, vai demorar um pouco mais pra sentir o bebe, mas quando sentir, não vai conseguir esquecer nunca mais a sensação.
Hoje é meu dia de agradecer, filho, por ter me escolhido como mãe. Não sei como você vira, se será lindo, feio, chato, simpático, sorridente ou chorão... E isso, sinceramente, pouco me importa, só sei que você já é tão amado por mim e por tantas pessoas ao seu redor. Obrigada, filho, por permitir que eu tenha a possibilidade de te trazer ao mundo. Nunca tinha entendido quando ouvia as pessoas falando que mãe ama de um jeito único. Agora eu sei que é um amor totalmente diferente de qualquer outro. Um amor sem limites. Um amor maior que o maior dos amores.

Te amo, filhote. Beijos da mamãe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário