#Desabafo : Comparação

*O texto a baixo não é direcionado a ninguém específico. Então, não se ofenda. E não, não precisa mudar seu jeito, já estou acostumada! :)

Olá amiguinhos, hoje vim aqui desabafar um pouco com vocês. Esses últimos dias de gestação são os piores. Todo mundo resolve contar suas experiências e comparar. Mesmo sem que você peça. Pois é, a galera adora dar pitaco na vida alheia, e odeia receber. Vai entender...

Na vida a comparação serve pra muitas coisas, entre elas estimular a rivalidade, o que venhamos e convenhamos não é nada legal. Quem nunca foi comparado na vida? Pois é. Eu já fui, e muito. E não desejo pra ninguém o jeito que me sentia após cada comparação. Primeiro são os pais, que te comparam até aos filhos dos vizinhos pra dizer que eles fazem tal coisa, são bons em tal coisa e você não. Depois vem os amigos que te comparam entre si, o cabelo da fulana é melhor que o seu. E até os professores que viviam falando coisas como: a turma tal tem o comportamento muito melhor que o de vocês, parecem macacos. É verdade, comparar é saudável, só que não.
Posso falar por mim, eu estudei muito pra melhorar por cansar de ser comparada a uma turma que diziam ser superior. Eu me empenhava em aprender e fazer algumas coisas em casa pra que meus pais não tivessem mais que me comparar aos outros. Eu ficava horas fazendo chapinha na minha cabeleira ruiva pro meu cabelo ficar melhor. E digo, por experiência própria, que isso só fez com que eu desenvolvesse uma certa raiva pelos outros. Não, não é inveja. Eu não queria ter o que eles tinham ou ser o que eles eram. Eu queria, pura e simplesmente, que parassem de me comparar. Ninguém é igual a ninguém. Nem todo mundo aprende fácil, nem todo mundo tem uma genética boa, nem todo mundo tem dons domésticos.

Bem, o que isso tem a ver com a gravidez? Simples. Desde que eu descobri que estava grávida ouço comparações. Primeiro foram comparações leves, tipo as do parto, como: "meu parto foi cesariana, foi ótimo, você é louca de fazer natural". Depois vieram as comparações com a minha filha, sendo que ela nem nasceu ainda! Primeiro "eu descobri o sexo com tantas semanas, ia tá pirando se fosse você", depois "minha barriga ficou maior que a sua", e por último "ah isso que você tá sentindo é normal, senti muito". Cara, são comentários bobos, mas que na atual situação me deixam muito revoltada.
Cada gravidez acontece a sua maneira, se desenvolve no seu tempo, cada barriga cresce de um jeito, nenhum organismo é igual. Não é porque seu colostro desceu com 30 semanas que o meu tem que descer. Não é porque você engordou 5 kg na gravidez que eu não possa engordar 20 kg! E não é porque seu umbigo saiu que o meu vai sair!
Assim é o caso do bebê. Meu sonho era dar um quarto pra minha filha, com armário, cômoda e berço. Infelizmente isso não é possível. Eu e Mauro moramos com meus sogros, no nosso quarto só coube a cômoda, mesmo eu querendo muito um armário justamente porque a Maria Luisa já ocupou além do armário da minha loja, o do pai dela. Ai vem um monte de gente falar que armário não é útil. Não mesmo? Pra mim seria e muito. Berço nem pensar, porque aqui ninguém usou, mas um moisés vai usar. Qual a diferença mesmo? Já estou ciente que minha filha vai passar mais tempo no carrinho do que no moisés. Graças a Deus não gastamos dinheiro com ele, porque essas coisas de vime costumam ser carinha a beça. Mas é muito chato você não poder comprar porque fulano não usou, ou porque ciclano usou isso e ficou aqui e estou te dando. Depois veio a banheira, pra mim lugar de banheira é no banheiro ou no quarto, pra que o bebê não pegue friagem ao sair do banho. E cadê o espaço? Não tem. Ok, deixamos no quarto, mas já ouvi até um belo "duvido que vá usar, criança não toma banho em banheira". Gente, criança toma banho onde? No chuveiro? Na pia? Realmente, eu tomava banho no tanque, com 4 ou 5 anos, não recém nascida!
E pra finalizar as comparações, as piores do mundo, porque pra mim pior que comparar parto é comparar filho! Odeio ouvir coisas como "meu filho não usou mamadeira", ou "duvido que você não vá dar chupeta, primeira vez que chorar tu vai colocar a chupeta na boca da criança". Cara, não pretendo usar a chupeta, não quero estimular uma pegada errada na hora de amamentar, mas se for o caso, ok, ela vai usar. Assim como não sou contra a cesariana, se for realmente necessária eu faço, caso contrário vou até o final pra realizar meu sonho que é o parto natural na água. E ponto final!
Não, não pretendo ser aquela mãe que pra criança parar de chorar faz todas as vontades, não quero que ela seja mimada. Vai ficar chorando sim. Se tiver que levar umas palmadas, vai levar sim. E se tiver que brigar com o mundo pra que ninguém tire minha autoridade como mãe, ok, brigarei. E de boa, assim como não interfiro na educação do seu filho, ou de qualquer outro, não quero que interfiram na educação que eu quero dar pra minha filha.
Acho um saco essas crianças que "ai, sai, é meu" e ao invés da mãe chegar e falar "para fulana" "vai ficar de castigo" ou simplesmente um "se ficar de gracinha vai apanhar", falam "Jéssica, sai pra ela parar". Cacete! Juro, posso queimar a língua, mas o dia que Maria Luisa fizer uma birra dessa, vai direto pro castigo. Tem que aprender desde cedo que nem tudo é como a gente quer, que nem tudo acontece da forma que queremos, e que nem todo mundo nos diz sim ou faz nossas vontades.

Bem, acho que já desabafei bastante, se eu falar mais é capaz de ficar mais nervosa do que estou. E não, isso não é um recado pra ninguém específico. Sabe, é bom TROCAR experiências, e não ter elas impostas na sua frente.
Mães, amigas, família. Não quero que ninguém fique chateado comigo. Mas se ponham no meu lugar e vejam se pra vocês seria legal ouvir tudo que eu já ouvi e ouço até de gente que eu mal conheço, gente que simplesmente vê a barriga e já sai falando.

Comparação nunca é bom. Pode gerar conflitos entre a família, rivalidade entre irmãos, primos, amigos de infância e até desconhecidos. Inveja, fofoca e nada que traga coisa boa pra sua vida. Então, antes de comparar, pense que a pessoa pode não gostar do que vai ouvir, e que nem todo mundo é tão paciente quanto eu de ouvir, dar um sorriso e ficar calada.

Espero, filha, que quando ler isso você entenda o que eu estou falando, porém sem ter passado por isso. Espero poder livrar você disso, pelo menos em casa. Tenha certeza que nunca vou falar "eu era assim" ou "seu pai era assado" ou "seu irmão faz isso" ou "seu primo fazia assim". Podemos até contar histórias engraçadas ou experiências nossas pra te privar de passar por essas coisas, mas nunca te compararei. Por tudo que eu passei, passo e seu que ainda vou passar, quero te poupar de tudo isso.

Ufa. Chega!

Obs: Obrigada tia Izabella pelo abacaxi de ontem, e obrigada papai Mauro por ter ido buscar. Fiquei muito feliz! Amo vocês!



Beijos, mamãe-sensível-com-dor-e-muito-chateada-com-alguns-comentários-dos-amiguinhos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário